quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Chuva na janela



        Passei toda a minha vida observando o quanto é gostoso ver a chuva cair, aquelas gotinhas de água que fazem um barulhinho nas pedras , uma certa sinfonia. Cada gota com seu som , o frio chega e bate aquela vontade de entrar embaixo de um cobertor quentinho com uma xícara enorme de chocolate quente para acompanhar. Aquela noite seria diferente, não consegui apreciar a chuva que anunciava cair . De repente uma onda de pensamentos atordoados , uma inquietação me atormentava .Encostei minha cabeça na janela e fiquei a observar a rua , me perdi em devaneios por mais ou menos uma hora, tempo suficiente para a chuva começar a cair, forte, barulhenta e perfeita. Foi com um olhar de relance que vi aquela sombra na rua, observando minha janela com atenção, curiosa apertei os olhos e me aproximei ainda mais da janela, sem poder identificar quem era. A curiosidade veio junto de um desejo estranho de ir até lá fora ver quem era a tal sombra .
         Aos poucos sua imagem foi ficando cada vez mais nítida, era um rapaz na mão tinha uma rosa vermelha, isso me chamou a atenção e fez com que meu coração acelerasse. Esqueci completamente do tempo , pus um roupão e corri em direção ao rapaz, mas quando cheguei já não havia mais ninguém, demorei para acreditar que aquilo tinha sido real, a prova viva de que tudo aquilo aconteceu foi esquecida em meio a chuva: a rosa vermelha. Nem pude ver seu rosto, sentir seu abraço, agradecer pela visita, o carinho que ele quis me mostrar com aquela rosa em mãos, nem seu nome eu sei, mas ainda o espero todas as noites de chuva na minha janela.



          

'Está me assumindo. Eu sinto um frio no ar. Há uma mudança no tempo. Aqui vem novamente. Agora eu posso sentir a chuva.  '

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More